admin

21 Maio 2014

Nenhum comentário

A chapa Da Unidade vai Nascer a Novidade dirigirá o DCE da UNISO

Com uma proposta de mudanças na infraestrutura da Universidade de Sorocaba (UNISO), a  Da Unidade vai nascer a Novidade,  chapa vencedora das eleições para o Diretório Central dos Estudantes, obteve 1345 votos e será presidida pelo aluno de direito do segundo ano, Gabriel Soares, 18 anos.

A UEE São Paulo entrevistou Gabriel, que assume o cargo nessa quinta-feira, dia 05.06, ( a data de posse foi adiada, a princípio seria dia 22.05) com muitos planos em mente, sendo um deles, fortalecer a atuação da juventude nas lutas na Universidade, na cidade e no estado.

 A posse acontece na Universidade, em dois horários: às 9h20 e 20h40, para que alunos dos dois turnos possam acompanhar.

UEE: Quais os principais problemas atuais da UNISO?

Gabriel: Hoje temos principalmente problemas estruturais, mais especificamente sofremos com a falta de laboratórios, ou então, aqueles que existem não são suficientes para suprir as demandas dos alunos. O que na verdade, é o reflexo de um problema ainda maior, que é a falta de investimento e atenção da Universidade nas aulas práticas. Muitos cursos, como por exemplo, as engenharias e os cursos voltados para a área de saúde sofrem muito com esse problema. Existem também muitas salas e estudantes que sofrem não tem boa relação com o corpo docente, e não existe hoje uma forma institucional democrática para se manifestar e participar da escolha dos professores e diretoria.

UEE: Quais as propostas da nova chapa do DCE

Gabriel: Nós pretendemos cobrar a ampliação dos laboratórios, que é uma necessidade básica de muitos cursos, Wi-fi de qualidade para toda a universidade, a construção de uma quadra poliesportiva, ampliação da participação discente nas semanas acadêmicas dos cursos, a criação de um restaurante universitário, lutar contra o agrupamento de vários cursos por sala, e também uma maior interlocução com o Campus Trujillo, que atualmente sofre com o descaso da reitoria e da administração da Universidade.

É necessário também a implantação de uma sub-sede da reitoria e que todos os serviços disponibilizados na Cidade Universitária também sejam disponibilizados nesse campus, facilitando  – e muito – a resolução de problemas e aumentando o diálogo entre a universidade e os alunos.

Acreditamos que é muito importante a participação de lutas na educação na cidade e no estado, como é o caso da nossa proposta de lutar pela implantação do Prouni municipal. Porém, como prioridade nossa gestão está focada em solucionar os problemas cotidianos dos alunos.  Feito isso, externalizar a nossa atuação é uma consequência.

UEE:  Para você, como está atualmente o Movimento Estudantil?

Gabriel: Vejo hoje o movimento estudantil como peça fundamental na luta pelos direitos da juventude, mas também, o que é muito importante na militância estudantil é a formação que ela dá aos jovens, por meio da criação de uma consciência política e social, que hoje uma grande parcela da juventude não possui.

UEE:  Como você começou no Movimento Estudantil?

Gabriel: Comecei a militar no movimento estudantil no inicio de 2013, assim que entrei na Universidade e conheci o Centro Acadêmico do meu curso, Direito, no qual logo de cara comecei a participar ativamente,

Após seis meses assumi a vice-presidência do C. A.

No inicio desse ano, assumi a presidência do e no dia 13 de maio, felizmente ganhamos as eleições para o Diretório Central dos Estudantes no qual assumo a presidência na próxima quinta-feira (22.05), o dia da nossa posse.

UEE: Para você, quais os principais desafios da Uniso e na educação do estado de São Paulo?

Gabriel: Um dos nossos principais desafios é a conscientização dos estudantes. Nossa juventude sofreu muito nas últimas décadas, primeiro com a ditadura militar que nos oprimiu muito e qualquer tipo de participação na política.

Depois sofremos com um governo neoliberal e antipopular que priorizou os lucros empresariais, sucateou a educação e  por meio de uma grande manipulação midiática apenas fortaleceu a ideia de que a política é coisa de corrupto e que não é interessante a participação dos jovens na política.

Hoje, sofremos muito com o legado deixado por esses governos, e vejo como principal desafio a aproximação da juventude com a política, afinal, é  dessa forma que aumentamos nossas conquistas.

Em especial no Estado de São Paulo, o grande desafio da juventude é tirar o governo tucano. Afinal, é  uma administração que possui interesses, porém nenhum deles está em afinidade com a realidade do jovem, e, precisamos de um governo mais popular e comprometido com os nossos interesses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − 10 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.