admin

09 junho 2014

Nenhum comentário

Nota de Solidariedade aos Metroviários

Repúdio à atuação da Polícia na repressão ao ato em apoio ao metroviários

Em seu quinto dia de greve, ás 6h50 da manhã, antes até mesmo de começar o Ato em Apoio aos metroviários em greve, convocado pelas centrais sindicais e entidades pelas redes sociais, cerca de 80 metroviários foram  isolados dentro da Estação Ana Rosa, na região central da capital, pela Polícia Militar, cumprindo ordens que o Governador Geraldo Alckmin (PSDB) delegou.

O governante tem deixado claro para a mídia que a ordem é: Tiro, Porrada e Bomba para os grevistas e ‘baderneiros’  que impedirem, segundo ele, o direito de ir e vir do cidadão. E mostrou toda a sua incapacidade de negociação com a categoria, que se colocou à disposição para a negociação.

Não demorou muito para a Tropa de Choque estourar bombas de efeito moral e lançar spray de pimenta em apoiadores da greve. Entre eles, estudantes e metroviários que, do lado de fora, tentaram impedir a invasão da PM à estação. Além disso, proibiram os jornalistas de acompanharem a ação.

Dessa forma, fica claro o debate quanto a desmilitarização da PM, que mata como a tal “tropa de elite de morte e terror”.

Também temos como fator contrário, toda uma mídia em campanha contra o direito constitucional à greve e o próprio Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que julgou a greve dos metroviários abusiva em pleno domingo e determinou a multa de R$ 500 mil por dia ao sindicato dos metroviários, mostrando assim que a justiça paulista é rápida quando se trata em acabar com os direitos trabalhistas.

Essas determinações colocam a população contra a categoria, que hoje pede não apenas o aumento real de salário, como também investimentos, já que  vivemos um sufoco diário com trens e metrôs superlotados.

Essa mesma mídia ignora e não noticia nada sobre o chamado “propinoduto”, esquema que já desviou mais de R$ 425 milhões, e fazem cessar os investimentos no transporte público.

O governo do PSDB há 20 anos, apenas faz “reformas”, “restauração”, dando um “jeitinho” para maquiar a falta de investimento na renovação da frota e principalmente na insuficiente expansão das linhas. Enquanto cidades como Londres, com total de 7 milhões de habitantes, tem 400 km de malha de metrô e Santiago, do Chile, com 5 milhões possuem 84 km. Nós, paulistanos, vemos passar diariamente, só no metrô, um total de 3 milhões de estudantes e trabalhadores, temos apenas 71 km de extensão, mostrando, dessa forma, a fragilidade e incapacidade do sistema atualmente.

Para a UEE-SP, é inadmissível a falta de investimento no metrô e este tratamento que a PM do Governador Geraldo Alckmin dá para os trabalhadores diariamente, com trens e metrôs superlotados, assédio sexual às mulheres, sem oferecer qualquer segurança.

#SomosTodosMetroviários

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − três =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.