Redação

03 fevereiro 2021

Nenhum comentário

OPINIÃO: Mobilizar os estudantes para derrotar Bolsonaro

Com a pandemia e o isolamento social, o que dificulta a mobilização, os movimentos sociais e as entidades estudantis precisam fazer o exercício de manter contato com a base.

 

A pauta “Fora Bolsonaro” vem cada vez mais agregando novos setores e ampliando uma frente de oposição ao governo federal. Por óbvio o setor da educação tem atuação permanente nessa frente, a agenda do presidente para as escolas e universidades, tanto públicas quanto pagas, é o completo desmonte.

Desde antes da pandemia os estudantes, professores e profissionais da educação, lutam pela autonomia universitária e para garantir que exista financiamento para nossas instituições de ensino. Mobilizamos milhares de pessoas pelo país inteiro e conseguimos reverter cortes que salvaram as universidades federais, mantiveram ativas as salas de aula e os laboratórios de pesquisa, que hoje são fundamentais para o combate ao Coronavírus

Na ordem do dia com certeza está a vacinação da população para que possamos voltar à dinâmica presencial de todas as atividades. Infelizmente, já estamos há quase um ano sem retornar para as escolas e universidades, isso tem impacto enorme, sobretudo para os estudantes secundaristas. A escola cumpre um papel fundamental na formação cidadã dos nossos jovens, pra além do próprio conteúdo que é passado na sala de aula, são ensinamentos fundamentais para entender a sociedade e a natureza.

Tanto a vacina quanto à resistência contra o Governo Bolsonaro são lutas essenciais para a vida do povo brasileiro, porém sozinhas não são suficientes para mobilizar e reconectar os movimentos sociais com as bases.

Vivemos hoje em um país profundamente injusto e desigual, com pouca distribuição de renda e sem perspectiva de gerar emprego. No caso dos estudantes, grande parte abandonou a sala de aula, mensalidades que não baixaram, quase nenhuma política pública de permanência estudantil e o fim do auxílio emergencial.

Sem o ensino superior completo, essa geração precisará buscar o trabalho informal, durante uma profunda mudança nas relações de trabalho, como por exemplo o Uber e aplicativos de entrega.

Logo, mesmo contra, nem todos os estudantes se mobilizam contra o Bolsonaro, estes que precisam se encaixar de alguma forma para sobreviver à crise econômica. Dito isso, quero usar de exemplo uma iniciativa importantíssima do estado de Pernambuco, o ProUni Estadual, bolsas que serão distribuídas para os estudantes.

Em São Paulo a União Estadual dos Estudantes caminhará neste sentido:  formular um projeto de renda para os estudantes que estão tendo que evadir das salas de aula. Acredito que dialoga com a realidade da juventude e pode mobilizar uma parcela dos universitários que precisam de amparo.

Por isso é fundamental uma forte campanha de volta às aulas, passar em sala de aula mesmo que on-line, pra dialogar com os estudantes. É preciso também envolver o setor da educação entorno desta pauta e estabelecer diálogo com o legislativo e o executivo.

O caminho não será fácil, mas o movimento estudantil nos ensina que com firmeza na luta é possível transformar a vida das pessoas.

Os estudantes escrevem a história do nosso país ao lado dos trabalhadores, não vamos parar até convencer cada estudante paulista de que nossa luta vale a pena.

Fora Bolsonaro! Em defesa da educação.

*Caio Yuji é estudante de serviço social na UNIFESP e presidente da União Estadual dos Estudantes de São Paulo (UEE SP)

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + 2 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.